20101230

É Natal - Tempo de Luz

6.º Dia do Tempo de Natal

«Jesus encarnou pelo Espírito Santo no seio da Virgem Maria e se fez homem». (Do Credo)


«As trevas passam e já brilha a luz verdadeira. Aquele que diz estar na luz, mas odeia o seu irmão, ainda está nas trevas. Quem ama o seu irmão permanece na luz e não corre perigo de tropeçar. Mas o que odeia o seu irmão está nas trevas, caminha nas trevas, e não sabe aonde vai, porque as trevas ofuscaram os seus olhos.» (1 Jo. 8-11)


É tempo de Natal, tempo de Amor e de Paz.
É tempo de cultivar a Tolerância, o Perdão.
É tempo de dar a mão, amor, atenção, paz e perdão a todos os que estão à nossa volta.
É tempo de transformar o nosso coração em presépio, para Jesus nele nascer.
É tempo de nos abrirmos à Luz, de corresponder ao Amor.
Porque Deus nos amou primeiro e "amor com amor se paga": e «Aquilo que fizerdes ao mais pequeno dos Meus irmãos, a Mim o fazeis» (Mt 25, 40).


«Ó Deus invisível e todo-poderoso, que dissipastes as trevas do mundo com a vinda da vossa luz, volvei para nós o vosso olhar, a fim de que proclamemos dignamente a maravilhosa natividade do vosso Filho Unigénito. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.» (Da liturgia diária)


Amanhã seguiremos nesta Caminhada de Natal com a Felipa


Para todos, boa continuação das Festas Natalícias.

Um Novo Ano de Luz e harmonia!

20101218

Jesus é A Luz

«A Luz resplandece nas trevas, mas as trevas não a admitiram.» (Jo. 1,5)


Conta-se que no ano 274 d.C. o imperador Lúcio Domicílio Aureliano implementou, a 25 de Dezembro, as festividades pagãs ao deus sol - o astro-rei. Era o "dies Natalis Solis Invicti". Tal terá gerado a contestação dos cristãos da época que viriam a proclamar, neste dia, JESUS CRISTO, nascido em Belém, como o "Novo e verdadeiro Sol", a única Luz que veio iluminar a humanidade.

Porque não é no sol, nem em quaisquer outras luzes, por mais brilhantes e sedutoras (de lâmpadas eléctricas multicolores a tremeluzir, de velas naturais e ou aromatizadas... e outras... e outras...) que está a visão, o odor, o sabor, o tacto, o eco do Natal.

Todos os nossos sentidos devem estar voltados para a verdadeira essência do Natal - JESUS - a verdadeira Luz.

Para todos um Feliz Natal pleno dA Luz!


ADENDA:

25 de Dezembro é mesmo a verdadeira data em que Jesus nasceu.


20101217

Linda Noite!



Linda noite de Natal
Noite de grande alegria
Caminhava S. José
Mais a sagrada Maria

Linda noite, linda noite
Linda noite de Natal

Caminhavam p’ra Belém
Para lá chegar de dia
Mas quando eles lá chegaram
Já toda a gente dormia

Linda noite, linda noite
Linda noite de Natal

Bateram a muitas portas
Mas ninguém lhes acudia
Foram dar a uma choupana
Onde o boi bento dormia

Linda noite, linda noite
Linda noite de Natal



Hoje ando a Chá de Perpétuas Roxas, se não!...

se não?!...

se não: logo à noite não canto!


Um santo Natal, com Jesus, para todos!

20101207

Emanuel - Deus connosco

10.º Dia de Caminhada no Advento




"O povo que andava em trevas viu uma grande luz, e aos que habitavam na região da sombra da morte, resplandeceu-lhes a luz." (Is. 9, 2)

Através das profecias, a figura do Messias vai-se perfilando com maior transparência: "Brotará uma vara do tronco de Jessé e um rebento brotará das suas raízes" (Is. 11, 1).
Uma vara e um rebento saídos da raiz de Jessé, pai de David, de quem proveio Maria, da qual nasceu Jesus, que se chama o Cristo (cf. Mt. 1, 16).
Podemos dizer, assim, que Maria Santíssima é a vara e Cristo o rebento, porque da Virgem humilde de Nazaré, desposada com José, descendente de David, nasce o Messias - o Emanuel: Deus connosco (cf. Mt. 1, 23).

O Messias é-nos apresentado por Isaías repleto do Espírito Santo, enriquecido com os Seus dons e enviado para julgar os pobres com justiça (cf. Is. 11, 2 - 4), para levantar o ânimo dos humildes e oprimidos que encontrarão um lugar privilegiado na sua missão salvífica.
Também, na alegoria da convivência pacífica entre os animais, inimigos por instinto, o profeta fala da paz que o Messias trará ao mundo, ensinando os homens a vencer as paixões que os fazem ferozes uns contra os outros e a amarem-se como verdadeiros irmãos (cf. Is. 11, 6 - 9).
Então o rebento da raiz de Jessé, posto por estandarte dos povos, será procurado pelas nações e será gloriosa a sua morada (cf. Is. 11, 10).

Aprendemos muito com os retratos de Jesus no Antigo Testamento. O livro de Isaías em especial apresenta quadros de Cristo como sendo o Servo (cf. Is. 42; 49; 50; 52; 53; 61).
Na advertência de Isaías no capítulo 42, 1-4, e citada em Mateus 12, 18-21, dá bem para entender correctamente a natureza de Jesus Cristo: "Eis o Meu servo, que eu amparo, o Meu eleito, no qual a Minha alma se deleita; fiz repousar sobre Ele o Meu Espírito, e Ele anunciará a verdadeira justiça às nações. Não gritará nem clamará, nem levantará a voz nas ruas. Não quebrará a cana já fendida, nem apagará a mecha que ainda fumega. Com fidelidade anunciará a justiça. Não desanimará nem desfalecerá, até que tenha estabelecido a verdadeira justiça sobre a terra" (Is. 42, 1-4).

Isaías foi um dos profetas que melhor soube compreender as esperanças dos pobres e as suas reivindicações sociais, concretizando estas esperanças na expectativa de um mundo proveniente de Deus.

João Baptista aparece com uma pregação que é convite à conversão, como condição essencial a acolher a salvação que vai chegar:
"Pregava assim: «Depois de mim, vai chegar outro que é mais poderoso do que eu, diante do Qual não sou digno de me prostrar para lhe desatar as correias das sandálias. Eu vos baptizarei com água, mas Ele baptizar-vos-á no Espirito Santo»". (Mc. 1, 7 - 8) (cf. Lc. 3, 16)

São três as figuras principais do Tempo do Advento - o profeta Isaías, João Baptista e Maria - que nos apresentam o Messias.
Mas, Maria é, das três, a figura mais central, aquela que se entregou, plenamente, à vontade do Senhor e esperou, na alegria a Sua vinda ao mundo. A alegre espera pelo Senhor está no ventre de Maria. E a Igreja, vivendo com ela a sua gravidez, gera vida na comunidade.

Jesus é o Emanuel, Deus connosco.
Ele já veio, no tempo do Imperador César Augusto. É Aquele que os profetas anunciaram ao povo como Messias;
Ele vem, no presente, de modo especial nos Sacramentos, na Palavra, na assembleia cristã e no testemunho dos baptizados. É presença misteriosa, viva, actuante na Sua Igreja, intervindo e penetrando, através dela, na história dos homens e no mundo;
Ele virá, no fim dos tempos, gloriosamente. Aí conheceremos, plenamente, o Seu amor e o esplendor do nosso destino.

O Advento, que não significa espera, como se poderia supor, é a tradução da palavra grega parusia, que significa presença, vinda, chegada; e também aniversário de uma vinda, de uma chegada. Quer dizer que é presença começada e assume, então, o valor de espera e de preparação. O Advento prepara a vinda do Senhor.

O facto de o Advento significar presença de Deus já começada, mas só começada, implica que o cristão não olhe apenas o que já foi e o que aconteceu, mas também que espere e se prepare para o que está por vir.
A presença de Deus, que somente começou, será um dia presença total.


"Eis que uma Virgem conceberá
E dará à luz um filho
Chamado Emanuel

Estou a ouvir o que diz o Senhor
Deus anuncia a paz

A sua salvação está perto dos que o temem
E a sua glória habitará na nossa terra"


Textos de Apoio:
Bíblia Sagrada;
Vários apontamentos e pesquisas.
Amanhã seguiremos nesta Caminhada de Advento com a Felipa

20101201

Preparar o Caminho do Senhor


Vídeo de Faz-te Ao Largo


Vem, Senhor Jesus!

20101127

Maria Mediadora das Almas

Novembro - mês das Almas do Purgatório - 27.º Dia


“Avé, cheia de graça, o Senhor é contigo” (Lc. 1, 28).

“Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua palavra” (Lc. 1, 38). A partir desse momento do Fiat, Nossa Senhora passou a ser a cooperadora directa na obra da redenção, ao conceber o Salvador, sendo, ao mesmo tempo, a principal mediadora - a ponte - entre Jesus Cristo e os homens. Por meio dela, Cristo pode vir ao mundo. Por meio dela, a salvação pode chegar a cada um de nós.

Ela é, assim, a bissectriz que leva a Jesus. Está aí o sentido da mediação de Maria: levar as almas para Cristo - os membros da Igreja Militante e os membros da Igreja Padecente.


Ela é a porta do céu, a porta da vida eterna, o portão celeste pelos quais passamos do exílio para o céu, as portas abertas do paraíso.

Porque Ela é a Mãe do Nosso Salvador, a Rainha do Céu e da Terra. Então voltamo-nos para Ela, a Santa Mãe de Deus, a quem invocamos sob muitos nomes, e humildemente lhe imploramos para aliviar e libertar as almas que suspiram na prisão do Purgatório.

Oração a Nossa Senhora de Montligeon
pelas almas abandonadas do Purgatório:

Nossa Senhora de Montligeon,
tende piedade das santas almas retidas por certo tempo longe de vós no fogo purificador, quebrai as suas cadeias e livrai-as do abismo onde gemem, aspirando à pátria e suspirando pelo momento feliz da união definitiva com Deus que os seus corações desejam ardentemente.
Tende pena sobretudo das almas mais abandonadas. Por elas vos rogamos especialmente.
Ó Mãe de bondade, dignai-vos aceitar as nossas súplicas e atendê-las. Nós vo-lo suplicamos, Maria, reuni-nos todos no céu, junto a Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso adorável Filho, que vive e reina com o Pai e o Espírito Santo pelos séculos dos séculos.
Amén.

20101116

O Purgatório na Escatologia Cristã

Novembro - mês das Almas do Purgatório - 16.º Dia

"Está determinado que os homens morram uma só vez, depois do que vem o juízo" (Hb. 9, 27).

O primeiro evento escatológico será a morte. A crença na vida após a morte do corpo, de acordo com a teologia cristã, inclui a crença num estágio intermediário entre a morte e a ressurreição. A alma, imaterial, experimenta um juízo particular depois da morte enquanto separada do corpo.

"Escatologia cristã é o estudo do fim das coisas, tanto o fim de uma vida individual, ao final da época, ou o fim do mundo. A palavra "escatologia" é derivada de duas palavras gregas que significam: "passado" e "estudo". Em termos gerais, é o estudo do destino do homem como é revelado na Bíblia, fonte primária de todos os estudos sobre escatologia cristã.
A escatologia é concentrada em explicar a vida após a morte, começando com a morte até ao julgamento pessoal que segue a morte do indivíduo, e seguido pelo destino do céu ou do inferno. (Na teologia católica, o céu às vezes é precedido por um purgatório)." - (Fonte: wikipedia)

Mas a escatologia não é o que acontecerá só depois da morte, a escatologia iniciou-se com a Morte e Ressurreição de Cristo:
«Se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também devemos crer que Deus levará, por Jesus, e com Jesus os que morrem n'Ele.» (I Tes. 4,14)
Porque, assim como em Adão todos morrem, assim também todos serão vivificados em Cristo». (1 Cor. 15, 22)

Assim, a escatologia cristã prende-se ao que afirmamos no Credo: «Creio na ressurreição da carne»; e depois, «Creio na remissão dos pecados e na vida eterna».

"Deus não condena ninguém: oferece a todos, na liberdade, a salvação pela qual Cristo morreu e ressuscitou. Deus faz tudo pelo homem, menos tirar-lhe a liberdade, porque seria desfazê-lo. É cada um que se abre, no tempo, à salvação ou condenação eternas, conforme o estilo de vida adoptado na terra.
Com a morte acaba o tempo e a possibilidade de mudança ou conversão, entrando-se na eternidade.
Com a morte fica, portanto, definitivamente marcada a sorte que cada um escolheu no tempo: a vida eterna em Deus e com Deus (céu) ou a vida eterna à margem de Deus (inferno). Nesse sentido, nada poderemos fazer para alterar o destino dos mortos. Nem o próprio Deus pode libertar os mortos da condenação que livremente escolheram em vida." (Fonte: Veiga, Américo. Como ser Cristão?. Editorial Perpétuo Socorro)

Mas a Igreja Católica crê num estado espiritual, conhecido como Purgatório, onde as almas que não merecem o inferno, mas não estão completamente prontas para o céu, passam por um processo final de purificação.
A Igreja formulou a doutrina da fé relativa ao Purgatório sobretudo nos Concílios de Florença e de Trento.
Fazendo referência a certos textos da Escritura, a tradição da Igreja fala do Purgatório como sendo um fogo purificador - uma «Chama Viva de Amor», como diz S. João da Cruz. Uma Chama Viva de Amor de Deus, que purifica as almas em ordem a levá-las ao seu encontro com Ele no Céu “onde não entrará nada de impuro” (Ap. 21,27). Ali gozarão para sempre de perfeita felicidade na glória celeste. Primeiro, só a alma. E depois da ressurreição da carne, unida ao próprio corpo.

Temos que admitir, portanto, a existência desse lugar de purificação que Deus, na Sua Sabedoria e Bondade infinitas, criou para conciliar as exigências da Sua Justiça Divina com as do Seu Amor misericordioso.


Podemos e devemos, pois, fazer orações e oferecer sacrifícios por todas as almas em geral, porque não sabemos quais estejam realmente a necessitar, e em condições de receber o mérito dessas nossas orações e sacrifícios oferecidos a Deus por elas. Estas orações e sacrifícios nunca ficarão sem efeito, sobretudo as Santas Missas que fizermos celebrar por elas, pois Deus fará a sua aplicação às almas que mais precisadas estiverem.

«Deus Pai todo-poderoso, que nos fortalecestes e assinalastes com o mistério da cruz e da ressurreição do Vosso Filho, concedei benignamente que os vossos servos libertos desta vida mortal, sejam associados ao convívio dos Vossos santos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito santo. Amen.» (Do Ritual das Exéquias)

20101105

Creio na Comunhão dos Santos

Novembro - mês das Almas do Purgatório - 5.º Dia

"Assim como o corpo é um só e tem muitos membros, e todos os membros do corpo, embora muitos, constituem um só corpo, assim também Cristo.
Foi num só Espírito que todos fomos baptizados, a fim de formarmos um só corpo, quer judeus, quer gregos, quer escravos, quer livres; e todos temos bebido de um só Espírito. Porque o corpo não consta de um só membro mas de muitos.
[...] Se um membro sofre, todos os membros padecem com ele; e se um membro é honrado, todos os membros se alegram com ele. Vós sois o corpo de Cristo e Seus membros, cada um na parte que lhe toca." (cf:1Cor. 12, 12-27)

“Assim nós, que somos muitos, constituímos um só corpo com Cristo, sendo individualmente membros uns dos outros” (Rm 12,5).
Somos comunhão.

Comunhão, na sua origem latina communio formou-se de cum, que significa "com" ou "em comum", e munio, proveniente do termo munus que, por sua vez, significa "cargo", "função", "ofício".
Portanto, na origem "comunhão" significava a realização em comum de um cargo ou função, a participação comum (comum união) na mesma tarefa, no mesmo trabalho.
É assim que se forma a unidade: esta nasce do contributo complementar de várias pessoas para o mesmo fim.

A Igreja é communio sanctorum, comunhão dos santos, ou seja, comunidade de todos os que receberam a graça regeneradora do Espírito, pela qual são filhos de Deus, unidos a Cristo e chamados santos.

Quando falamos da Comunhão dos Santos, não nos referimos simplesmente à ligação (comunhão = comum união) de um cristão com outro na Terra.
A realidade da “Comunhão dos Santos” é mais ampla:
abarca a Igreja Militante (que somos nós que ainda peregrinamos pela Terra);
a Igreja Padecente (as almas que se encontram em purificação no Purgatório);
e a Igreja Triunfante (os santos que já se encontram junto de Deus no Céu).

Portanto, as almas que deixaram a terra e estão destinadas ao céu, mas que têm ainda de se submeter à purificação no Purgatório antes que possam atingir a sua meta, também são santas e estão em comunhão com o resto da Igreja.

Assim, a comunhão significa, fundamentalmente, um laço espiritual entre todos os cristãos em particular e entre todos os homens em geral, pela qual as orações e sacrifícios de uns lucram misteriosamente para todos aqueles para quem eles são dirigidos.

Daí que seja "um pensamento santo e salutar rezar pelos defuntos para que sejam livres dos seus pecados." (cf: 2 Mac. 12,46)


«Dai-lhes, Senhor, o eterno descanso entre os esplendores da luz perpétua; que descansem em paz. Ámen.»


De modo semelhante ao do mês de Outubro, dedicado ao Rosário, continuamos em Caminhada conjunta no mês de Novembro que é dedicado à oração pelas Almas do Purgatório.
Por ordem, sucessivamente durante todo o mês, somos:

1. Teresa
2.
Gisele
3.
Felipa
4.
Canela
5.
Fa menor
6. Mer
7.
Ailime
8.
Utilia
9.
Dulce
10. Maria Luiza
11. Folhas de silêncio
12.
Malu

20101030

O Rosário e a Meditação da Palavra de Deus

30.º Dia do Mês do Rosário


Em nome do Pai
e do Filho
e do Espírito Santo. Ámen.

«Deus, vinde em nosso auxílio. Senhor, socorrei-nos e salvai-nos.»


Na recta final desta caminhada, depois de já muito ter sido reflectido, meditado, rezado, partilho em jeito de síntese:

O Rosário é uma forma de oração muito antiga, usada pelos cristãos dos primeiros tempos.
Desde os monges do oriente, até aos beneditinos e agostinianos, era costume contar as preces com pedrinhas. À sombra dos mosteiros surgiu o Saltério dos leigos. Dado que os monges rezavam os 150 salmos, os leigos, que na sua maioria não sabiam ler, começaram a rezar 150 Pai-nossos. Com o passar do tempo, formaram-se outros três saltérios com 150 Avé-Marias, 150 louvores em honra a Jesus e 150 louvores em honra a Maria.
Aos poucos a devoção foi evoluindo e fez-se uma combinação dos quatro saltérios, dividindo as 150 Avé-Marias em 15 dezenas e colocando um Pai-nosso no início de cada uma delas.
A tradição diz que foi assim revelado numa aparição de Nossa Senhora a S. Domingos de Gusmão, no início do século XIII, como uma arma da fé contra todos os inimigos do cristianismo e para a conversão pecadores.
No século XV incluíram-se as meditações dos mistérios; recentemente foi acrescentada por João Paulo II mais uma meditação, a dos Mistérios da Luz.




«No Rosário, contemplamos Cristo com Maria. É oração marcadamente contemplativa. Aprendemos Cristo de Maria. Configuramo-nos a Cristo com Maria. Suplicamos a Cristo com Maria. Nunciamos Cristo com Maria. Pois os Mistérios de Cristo são os Mistérios da Mãe:

MISTÉRIOS DA ALEGRIA: 1. Anunciação do Arcanjo a Nossa Senhora; 2. A visita a sua prima Isabel; 3. O nascimento de Jesus em Belém; 4. Apresentação do Menino Jesus no Templo; 5. Encontro de Jesus no templo entre os doutores da Lei.
São Mistérios da Mãe com Jesus.

MISTÉRIOS DA LUZ: 1. Batismo de Jesus no Rio Jordão; 2. Nas Bodas de Caná, Jesus transforma a água em vinho; 3. Anúncio do Reino de Deus e convite à conversão; 4. A transfiguração de Jesus no Monte Tabor; 5. A Insituição da Eucaristia.
Sempre a Mãe acompanhando.

MISTÉRIOS DA DOR: 1. A agonia de Jesus no Horto das Oliveiras; 2. A flagelação de Jesus; 3. A coroação de espinhos; 4. A subida ao Calvário; 5. A morte de Jesus, com Maria aos pés da Cruz.

MISTÉRIOS DA GLÓRIA: 1. A Ressurreição; 2. A Ascensão ao Céu; 3. A vinda do Espírito Santo; 4. A Assunção de Maria ao Céu; 5. A Coroação de Maria no Céu.

Os mistérios de Cristo são os de Maria, mas são também o “mistério” de todo o ser humano:
“A simples oração do Rosário marca o ritmo da vida humana” (João Paulo II)


«Salve, Rainha, Mãe de misericórdia, vida, doçura e esperança nossa, salve!»


À semelhança deste mês de Outubro, procuremos fazer do terço do Rosário a nossa oração de todos os dias do ano, tal como a Senhora do Rosário pediu em Fátima aos pastorinhos, na aparição de 13 de Outubro: "Continuem sempre a rezar o terço todos os dias."

Amanhã - 31.º Dia do Mês do Rosário - terminamos esta nossa caminhada com a Felipa

20101017

Mariam e a Nascente das Águas

17.º Dia do Mês do Rosário

Em nome do Pai
e do Filho
e do Espírito Santo. Ámen.

«Deus, vinde em nosso auxílio. Senhor, socorrei-nos e salvai-nos.»


"Todos vós que tendes sede vinde à nascente das águas; mesmo os que não tendes dinheiro; vinde, comprai pão e comei sem pagar, vinho e leite sem pagar.
Por que gastais o vosso dinheiro naquilo que não alimenta, e o vosso salário naquilo que não pode saciar-vos?
Escutai-me e comereis excelentes manjares, deleitar-vos-eis com uma substanciosa comida." (Is. 55,1-3)


"«Maria», ou melhor «Mariam», em hebraico, decompõe-se em «Maim», «as águas» e «Ri», «emissão de vento divino», que sopra sobre a Substância cósmica, isto é, a totalidade das potencialidades e o meio receptor, representado pelas Águas primordiais, tal como ressalta dos primeiros versículos do Génises: «Um vento de Deus pairava sobre as águas.»*

A concepção de Deus encarnado, a manifestação terrestre do Verbo divino, arquétipo da Criação e Homem Universal, só podia operar-se por um processo criativo. Por isso, a Mãe de Deus encarnado enforma a presença humana da Possibilidade total da Substância cósmica, Mãe e «Matéria prima», fecundada, como as Águas primordiais, por «um vento de Deus.»

Aqui reside o «mistério da Virgem Maria» no plano do Homem-Deus. E reside também, simultaneamente, o mistério do homem caído, que deve viver, por sua conta, o «mistério da Virgem»: identificar a sua alma individual à Alma universal, para que o Espírito Santo (vento de Deus) opere na alma que participa das Águas primordiais, como no processo da Criação e da Encarnação. Esta alquimia espiritual efectua-se mediante os Sacramentos e a recitação contemplativa do Rosário, que criam na alma um estado de completa submissão, de plasticidade ontológica, em harmonia com a Virgem e as suas virtudes.

Eis o objectivo principal da dicção do Rosário. Ao longo deste exercício, a alma aplica a si própria as palavras do Anjo a Maria: identifica-se com o seio virginal para tornar-se no lugar da geração ardente do Verbo."(António Barahona, Rosas Brancas e Vermelhas)


«Salve, Rainha, Mãe de misericórdia, vida, doçura e esperança nossa, salve!»


Amanhã - 18.º Dia do Mês do Rosário - reflectimos com a Felipa

________
*Trad. de «A Bíblia de Jerusalém»

20101004

Avé Maria, Cheia de Graça

4.º Dia do Mês do Rosário

Em nome do Pai
e do Filho
e do Espírito Santo. Ámen.

«Deus, vinde em nosso auxílio. Senhor, socorrei-nos e salvai-nos.»



«Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre» (Lc.1,42).

"Este louvor é mais para Deus do que para Maria: Tu és bendita, porque é bendito o fruto do teu ventre; e é neste fruto e por este fruto que Te vem de Deus a bênção e o seres bendita entre todas as mulheres. E assim o entendeu e cantou a Virgem mãe: «A minha alma glorifica o Senhor, e o meu espírito exulta em Deus, meu Salvador. Porque olhou para a humilde condição da Sua serva. De facto, desde agora todas as gerações me hão-de chamar ditosa, porque grandes coisas fez em mim o Omnipotente. É Santo o Seu nome; e a Sua misericórdia se estende de geração em geração para aqueles que O temem» (Lc.1,46-50)." (Irmã Lúcia, Apelos da Mensagem de Fátima)

"A oração rosarista mais profunda, a invocação de fé mais simples, é a dicção do «nome que tudo resume e que o Filho de Deus recebeu na sua Encarnação: JESUS.»*
O Rosário constitui uma oração peculiar, que se define pela repetição rítmica do Nome divino por si só ou numa fórmula em que se enquadra, e pela sua consequente meditação.
Na dicção do Rosário, o Nome divino invoca-se de duas maneiras, no «Pai Nosso» e na «Avé Maria». No «Pai Nosso» a fórmula é: «santificado seja o vosso nome»; na «Avé Maria» a fórmula é a primeira parte e o Nome é o de «Jesus»." (António Barahona, Rosas Brancas e Vermelhas)

«Ave Maria, cheia de graça,
o Senhor é convosco.
Bendita sois vós entre as mulheres,
e bendito é o fruto do vosso ventre, Jesus.»


Esta é uma Caminhada de Oração e Reflexão em Grupo.

Amanhã - 5.º Dia do Mês do Rosário - a reflexão é da
Felipa
«Salve, Rainha, Mãe de misericórdia, vida, doçura e esperança nossa, salve!»

__________
*Catecismo da Igreja Católica, pág. 561

20100928

Passo a Passo...

Não imaginas o poder,
Que te deixaram na palma da mão...


Passo a passo, grão a grão
Completamos esta construção,
Não imaginas o poder,
Que te deixaram na palma da mão.

Recolhe a âncora, faz-te ao mar
Rumo ao norte tu vais navegar,
Porque há alguém que acredita
Que tu tens força p'ra remar.


Tens uma vida a construir,
Um Novo Reino vai surgir!
Se anseias um mundo melhor,
Jesus é o teu construtor!

Vamos todos ajudar
Para a missão continuar.
Seguiremos teus passos Senhor
Com a Tua força e o Teu amor!

Tens um rumo a traçar,
E um sonho a realizar,
Tu não podes nunca desistir,
Pois contigo Ele quer ir.

Cântico da Fraternidade Verbum Dei

Partitura e Ouvir

20100914

Azul e Asas



"Mas os que esperam no Senhor renovam as suas forças;
têm asas, como a águia,
e voam velozmente, sem se cansar,
e correm sem desfalecer."


(Is.40,31)

20100905

Marcas...

Um dia a areia branca
Seus pés irão tocar
E vai molhar seus cabelos
A água azul do mar

Janelas e portas vão se abrir
Pra ver você chegar
E ao se sentir em casa
Sorrindo vai chorar

Debaixo dos caracóis dos seus cabelos
Uma história pra contar
De um mundo tão distante
Debaixo dos caracóis dos seus cabelos
Um soluço e a vontade
De ficar mais um instante

As luzes e o colorido
Que você vê agora
Nas ruas por onde anda
Na casa onde mora

Você olha tudo e nada
Lhe faz ficar contente
Você só deseja agora
Voltar pra sua gente

Debaixo dos caracóis dos seus cabelos
Uma história pra contar
De um mundo tão distante
Debaixo dos caracóis dos seus cabelos
Um soluço e a vontade
De ficar mais um instante

Você anda pela tarde
E o seu olhar tristonho
Deixa sangrar no peito
Uma saudade, um sonho

Um dia vou ver você
Chegando num sorriso
Pisando a areia branca
Que é seu paraíso

Debaixo dos caracóis dos seus cabelos
Uma história pra contar
De um mundo tão distante
Debaixo dos caracóis dos seus cabelos
Um soluço e a vontade
De ficar mais um instante

Debaixo dos caracóis dos seus cabelos
Roberto Carlos




20100825

É uma Animação!

Terça-feira à tarde é hora de Animação. E que animação! O Centro de Dia é o palco. Uma sala com cerca de duas dezenas de idosos que, de maneira surpreendente, passaram a tornar tão agradáveis as minhas tardes de terça-feira. E as deles também, que eu bem percebo!

Era um grupo de idosos, de certo modo, parado e desmotivado, por falta de uma presença mais assídua que lhe dinamizasse actividades recreativas na sala, o que nem sempre acontecia por alguma limitação de tempo dos recursos humanos afectos a esta resposta social de Centro de Dia. Pretendeu-se a transformação desse grupo a partir da dinamização, mobilização e implicação dos próprios indivíduos do grupo no sentido do seu desenvolvimento, o que aconteceu com relativa facilidade, uma vez que já conhecia pessoalmente a maioria dessas pessoas, e também procurei mais alguma informação acerca dos seus gostos, necessidades, interesses e motivações, bem como das suas potencialidades.

Procurando ir ao encontro dos interesses destes idosos, tenho vindo a dinamizar actividades de Animação Sociocultural com canções populares, histórias e contos populares, jogos, anedotas, adivinhas, rimas, lengalengas, partilhas de saberes e de experiências e estórias de vida.

As actividades desenvolvidas vêm-se direccionando a estimular a actividade cognitiva, a promover a comunicação, convivência e ocupação do tempo dos idosos, de maneira atractiva, transmitindo-lhes alegria e boa disposição, despertando-lhes vontade e gosto, de forma a evitar-lhes a alienação e a passividade, mas procurando respeitar sempre as suas capacidades, hábitos, interesses, potencialidades, expectativas e a individualidade e estado de espírito de cada um.

Reservei sempre o mesmo dia da semana, terça-feira, e o mesmo horário, de modo a criar uma rotina que os mantivesse despertos para estas actividades, naquele dia e àquela hora.

Uma tarefa que me tem dado muito gozo realizar, por ir constatando o agrado e a satisfação destes idosos, e verificar que vou contribuindo para alguma mudança no sentido de lhes melhorar a auto-estima e o bem-estar.

Conto-lhes uma história. Pego na viola. Gostam de cantar, de dançar. Vou puxando por eles. E então, pergunto-lhes, quem fez o trabalho de casa? O que têm hoje para me ensinar? E eles colaboram. Contam histórias, anedotas, e tenho de pôr um travão no senhor Albino que só sabe das cabeludas, e algumas senhoras também sabem canções das boas, às quais tenho de saber dar a volta:

Ai o caipira já não vai p’ra militar
O caipira mete e tira e sai p’lo mesmo lugar
Ai o caipira eu hei-de o mandar prender
O caipira mete e tira e eu também já sei meter.

Risada geral, a começar por mim, que não me contenho!

20100815

Assunção de Maria - Nossa Senhora da Boa Morte

"Uma mulher revestida de sol, com a lua debaixo dos pés" (Apoc. 12, 1)



Aleluia.

Maria foi elevada ao Céu;
alegra-se a multidão dos Anjos.

Aleluia.


À vossa direita, Senhor, a Rainha do Céu,
ornada do ouro mais fino.


Ao vosso encontro vêm filhas de reis,
à vossa direita está a rainha, ornada com ouro de Ofir.

Ouve, minha filha, vê e presta atenção,
esquece o teu povo e a casa de teu pai.

Da tua beleza se enamora o Rei;
Ele é o teu Senhor, presta-Lhe homenagem.

Salmo 44 (45)

20100808

O Mar e as Rochas



Fui perguntar às rochas
O que sentem
Quando o mar as abraça

Disseram-me
Que sentem arrepios molhados
Pois que o mar é irrequieto
E lhes dá beijos salgados
Que ora as veste de espuma branca
Ora as despe enamorado

Sentem-se amadas por ele
E outras vezes odiadas
Quando ele as prende e as força
Com os seus braços pesados
Sem ter remorso nem dor
Em abraços agitados
A ceder ao seu amor

20100731

[Somos] Vasos de Barro





20100725

Ei-los que partem...

... em Missão JP2

Gostei muito de participar na Celebração do Envio de um grupo de jovens que partem em Missão para a Chapadinha - Nordeste do Brasil .

Que o Senhor os abençoe e proteja!


-

Se sentes dentro de ti
A vontade de amar
Em gestos que criam fontes
A audácia de sonhar
Mais longínquos horizontes
E o apelo a escalar
Cada vez mais altos montes
Cada vez mais altos montes
Então ...

Tens em ti um pedacinho de Deus
Tens rumos certos no coração
Desperta o sonho, tens em ti os céus
Liberta a vida da palma da mão
Faz desses rumos os caminhos teus
De Jesus recebeste,recebeste, esta missão


Se sentes dentro de ti
Sempre a sede de gritar
O nome da liberdade
A coragem de falar
A palavra da verdade
E a servir, participar
Na construção da cidade
Na construção da cidade
Então ...

Se sentes dentro de ti
O silêncio inspirar
A paz ao teu coração
Chamando-te a enfrentar
A vida com decisão
E teimas acreditar
Na esperança de um mundo novo
Na esperança de um mundo novo
Então ...

Pedacinho de Deus

20100718

Marta e Maria ou a melhor parte

"Jesus entrou em certa povoação e uma mulher chamada Marta recebeu-O em sua casa. Ela tinha uma irmã chamada Maria, que, sentada aos pés de Jesus, ouvia a sua palavra. Entretanto, Marta atarefava-se com muito serviço. Interveio então e disse: «Senhor, não Te importas que minha irmã me deixe sozinha a servir? Diz-lhe que venha ajudar-me». O Senhor respondeu-lhe: «Marta, Marta, andas inquieta e preocupada com muitas coisas, quando uma só é necessária. Maria escolheu a melhor parte, que não lhe será tirada»."
(Lc. 10, 38-42)

Maria escolheu a melhor parte.
Mas, e a parte de Marta? Se ninguém a fizesse como é que era?
Poderemos nós ficar com a melhor parte e descuidarmo-nos da parte menos boa, a mais custosa de se fazer?
Poderemos nós dizer: Senhor, Senhor! e não trabalharmos para construir o Reino de Deus, aqui, agora?

Por outro lado, cuidando nós de fazer o que tem de ser feito a todo o custo, sendo essa a parte menos boa, a que se a não fizermos mais ninguém a fará, não nos descuidaremos daquela melhor parte de que Jesus nos fala?

Há um tempo para tudo e cada coisa tem o seu tempo.
(Cf. Eclesiaste 3)

Convém-nos é saber distinguir qual é o tempo, a hora, a ocasião oportuna para cada parte que nos cabe. Pois se é uma parte, quer seja a melhor ou a menos boa, será sempre a parte de um todo que deve ser levado a cabo.

Acho que ficar só por uma das duas será sempre um trabalho incompleto.

Mas não há dúvida de que estar com Jesus, escutá-lo, descansar a seus pés, louvando-o, será sempre a melhor parte, a parte essencial, sem a qual não podemos passar, e que nos ajudará a fazer melhor a outra parte, com mais empenho, com mais amor.

20100714

Olhando à volta

.
« Senhor!

Se olho à minha volta
só vejo desgosto.
Pelas estradas e passeios
quantas pessoas suspiram
caminhando com dificuldade.
Achas que me esconda num beco
para me sentir seguro?...
Não! Penso que é melhor
enfrentar este mundo.

Senhor,
dá-nos
um pouco de esperança. »

(Angela Toigo, Um rato fala com Deus)

20100707

Abrir as mãos se o salto é sem rede



Pedes-me um tempo,
para balanço de vida.
Mas eu sou de letras,
não me sei dividir.
Para mim um balanço
é mesmo balançar,
balançar até dar balanço
e sair..

Pedes-me um sonho,
para fazer de chão.
Mas eu desses não tenho,
só dos de voar.

Agarras a minha mão
com a tua mão
e prendes-me a dizer
que me estás a salvar.
De quê?
De viver o perigo.
De quê?
De rasgar o peito.
Com o quê?
De morrer,
mas de que paixão?
De quê?
Se o que mata mais é não ver
o que a noite esconde
e não ter
nem sentir
o vento ardente
a soprar o coração...

Prendes o mundo
dentro das mãos fechadas
e o que cabe é pouco
mas é tudo o que tens.
Esqueces que às vezes,
quando falha o chão,
o salto é sem rede
e tens de abrir as mãos.

Pedes-me um sonho
para juntar os pedaços
mas nem tudo o que parte
se volta a colar.

E agarras a minha mão
com a tua mão e prendes-me
e dizes-me para te salvar.
De quê?
De viver o perigo.
De quê?
De rasgar o peito.
Com o quê?
De morrer,
mas de que paixão?
De quê?
Se o que mata mais é não ver
o que a noite esconde
e não ter
nem sentir
o vento ardente
a soprar o coração.

Balançar - Mafalda Veiga

20100703

Rezar de manhãzinha



Deus reza de manhãzinha

Poder rezar-lhe e poder escutá-lO é
simplesmente uma delícia!



LUDOVICO EINAUDI - Nefeli


20100624

P'lo S.João - Queijo e Pão

Dão nas vistas em qualquer lugar
Jogando com as palavras como ninguém
Sabem como hão-de contornar
As mais directas perguntas

Aproveitam todo o espaço
Que lhes oferecem na rádio e nos jornais
E falam com desembaraço
Como se fossem formados em falar demais

Demagogia feita à maneira
É como queijo numa ratoeira

P’ra levar a água ao seu moinho
Têm nas mãos uma lata descomunal
Prometem muito pão e vinho
Quando abre a caça eleitoral

Desde que se vêem no poleiro
São atacados de amnésia total
Desde o último até ao primeiro
Vão-se curar em banquetes, numa social

Demagogia feita à maneira
É como queijo numa ratoeira

Demagogia- Lena D’Água (Single, EMI, 1982)





Há canções que não são novas mas que permanecem actuais.

É como no reino dos pardais:
eles não conseguem mudar os acordes aos chilreios
mas quando se juntam fazem um grande cagaçal.

20100609

É o meu Violino!

Numa certa manhã de Outono, um pobre cego pedia esmola à porta de uma igreja, como fazia todos os domingos, com um pequeno cão que ele tinha ensinado a sentar-se sobre as patas traseiras segurando na boca um velho chapéu amassado, onde ele esperava que algumas almas caridosas lhe lançassem umas pobres moedas.
O mendigo tocava, ou melhor, tentava tocar uma canção no velho violino que rangia desafinado, e os frequentadores do local davam pouca importância àquela dupla de artistas passando por ambos sem ao menos olhar para eles.

Porém, nessa manhã, sucedeu passar por ali um senhor muito distinto que, ao ver o cego a tocar o violino tão desafinadamente, pediu-lho emprestado, quando ele terminou a canção.
Afinou cuidadosamente as cordas e começou a tocar. E fê-lo de tal maneira que em poucos minutos a praça ficou cheia de gente, formando à sua volta um apertado círculo de espectadores. As notas ecoavam no ar com uma agilidade e vibração arrebatadoras.
A música era tão harmoniosa que todos estavam encantados a ouvi-la.
Foi quando, no meio do silêncio, se ouviu um grito:

- É o meu violino, é o meu violino!

Era o pobre mendigo que bradava entusiasmado, orgulhoso, porque do seu violino saía uma música tão maravilhosa...

Depois de executar várias peças musicais, sob o aplauso delirante do público que se acotovelava, o desconhecido entregou o violino ao mendigo e desapareceu apressado, deixando todos perplexos e maravilhados, e a pergunta era uma só:
- Quem é este músico maravilhoso?

Um dos presentes adiantou-se e pegando no chapéu da boca do pequeno animal, estendeu-o ao público, dizendo:
- Os senhores acabam de ouvir um grande violinista, um mestre, e o espectáculo não foi de graça; por favor, contribuam para este homem, assim como o excelente violinista o fez.
E as esmolas foram tantas que o pequeno cãozinho não podia suportar o peso do chapéu.

(Adaptado)

• É curioso observar que aquele violinista não deu uma moeda sequer de esmola ao cego, mas com o seu talento e humildade, provavelmente transformou o dia daquele mendigo no dia mais feliz da sua vida.

• Também podemos concluir que não é por se ter um violino que se produz música. É preciso afiná-lo e saber tirar dele as notas certas para que a melodia seja bela e harmoniosa.

• E assim é na nossa vida: muitas vezes somos como um violino desafinado. Mas se nos deixarmos tocar pelas mãos do Mestre, a melodia será maravilhosa!

20100531

Mãe, no Teu Mês que Chega ao Fim...

Mãe, o meu dia chegou ao fim
Sinto uma paz dentro de mim
E estou feliz, no meu cansaço

Mãe, por tudo o que eu fui e dei
Leva o meu obrigado ao Pai
Enquanto fico em Teu regaço


Em ti, eu encontrei o que procuro
Mais energia para dar, e para ser
Mãe, és meu caminho e meu seguro
E sinto bem que Tu me estás a acolher

Aqui, o abandono filial
Vou aprender e o Teu colo experimentar
Mãe, confio a Ti meu ideal
E sinto bem que Tu me estás a transformar



Mãe, o meu dia chegou ao fim
Letra e Música: Ir. Maria Amélia Costa IFHIC
Acordes, Pauta e Ouvir

20100522

Espírito Santo desce sobre nós

(Os 7 Dons do Espírito Santo, inspirados em Isaías 11,2-3)

Estes sete "dons são qualidades dadas por Deus que capacitam o ser humano para seguir com gosto e facilidade os impulsos divinos, para tomar a decisão acertada em situações obscuras e para reprimir as forças do orgulho, do egoísmo e da preguiça, que se opõem à graça de Deus".


“Digo-vos, pois: Andai segundo o Espírito e não satisfareis os apetites da carne.
Porque os desejos da carne são opostos aos do espírito, e estes aos da carne, pois são contrários uns aos outros. É por isso que não fazeis o que quereríeis.
Se, porém, vos deixais guiar pelo Espírito não estais sob a Lei.

Ora as obras da carne são estas:
Prostituição, impureza, desonestidade, idolatria, malefícios, inimizades, contendas, ciúmes, iras, rixas, discórdias, partidarismos, invejas, homicídios, embriaguês, orgias e outras coisas semelhantes, contra as quais vos previno, como já antes vos preveni: os que as praticarem não herdarão o Reino de Deus.

Mas o fruto do Espírito é:
Caridade, alegria, paz, paciência, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, temperança.
Contra estas coisas não existe lei.

Os que são de Cristo crucificaram a carne com as suas paixões e apetites.”
(Gal. 5, 16-24)



O cristão é chamado a realizar um projecto de vida num constante converter-se ao crescimento da fé e comprometimento a gerar estes frutos do Espírito na vida do dia-a-dia.
O cristão é chamado a dar testemunho da fé cristã, não só pela palavra, mas em obras - em frutos de Vida Nova do Espírito.

Espírito Santo
Desce sobre nós;
Espírito Santo
Enche-nos de Ti!

20100509

Deus cuidará de ti

Não desanimes, Deus proverá;
Deus cuidará de ti;
Sob Suas asas te acolherá;
Deus cuidará de ti.

Deus cuidará de ti
No teu viver, no teu sofrer;
Seu olhar te acompanhará;
Deus cuidará de ti.


Se o coração palpitar de dor,
Deus cuidará de ti;
Tu já provaste Seu terno amor.
Deus cuidará de ti.

Nos desalentos, nas provações,
Deus cuidará de ti;
Lembra-te dEle nas tentações;
Deus cuidará de ti.

Tudo o que pedes, Ele fará;
Deus cuidará de ti;
E o que precisas, não negará.
Deus cuidará de ti.

Como estiveres, não temas, vem!
Deus cuidará de ti;
Ele te entende e te ama bem!
Deus cuidará de ti.


Letra: Civilla Durfee Martin, 1904
Música: Walter Stillman Martin


"Nada temas, porque estou contigo, não lances olhares desesperados, porque Eu sou o teu Deus; Eu te fortaleço e venho em teu socorro, e te amparo com a Minha destra vitoriosa."
(Isaías 41,10)

20100430

Aquele Mar... é Um Pouco Meu Também

Aquele mar
Meu confidente de horas idas


Tudo escutava e adivinhava
Do meu pueril e ingénuo anseio



E a eternidade em tudo via
Humano sonho sempre esquecido
Na eterna voz que fala o mar
( João de Barros)

20100424

Tu és, Senhor, o meu Pastor

Pelos prados e campinas verdejantes eu vou,
é o Senhor que me leva a descansar.
Junto às fontes de águas puras repousantes eu vou,
minhas forças o Senhor vai animar.

Tu és, Senhor, o meu pastor,
por isso nada em minha vida faltará. (bis)

Nos caminhos mais seguros junto d’Ele eu vou,
e pra sempre o seu nome eu honrarei.
Se eu encontro mil abismos nos caminhos eu vou,
segurança sempre tenho em suas mãos.

Ao banquete em sua casa muito alegre eu vou,
um lugar em sua mesa me preparou.
Ele unge minha fronte e me faz ser feliz
e transborda a minha taça em seu amor.

Bem à frente do inimigo confiante eu vou,
tenho sempre o Senhor junto de mim.
Seu cajado me proteje e eu jamais temerei
sempre junto do Senhor eu estarei.

Co’alegria e esperança, caminhando eu vou,
minha vida está sempre em Suas mãos.
E na casa do Senhor eu irei habitar
e este canto para sempre eu cantarei.

Pelos Prados e Campinas

(Padre Zezinho, Pelos Prados e Campinas - Salmo 22)
(Partitura e acordes)


20100416

A Vida Deixa Sempre a Porta Aberta

A vida é tão diferente
Daquilo que sonhamos
Talvez o nosso mal seja acordar
Lancei o meu futuro
Para lá do firmamento
E agora não consigo lá chegar

Estou a sentir
A minha voz perdida no deserto
Mas sou quem diz
Que a vida deixa sempre a porta aberta
P'ra que eu possa lá entrar
E quem sabe regressar
À mais pura inocência

A vida é tão diferente
Dos sonhos que lembramos
Eu sei que o nosso mal é recordar
Perdi o teu futuro
P'ra lá do nosso tempo
E agora não consigo lá voltar

Estou a Sentir
A minha voz perdida no deserto
Mas sou quem diz
Que a vida deixa sempre a porta aberta
P'ra que eu possa lá entrar
E quem sabe te encontrar
Na mais pura inocência

(Polo Norte, Pura Inocência)



(acordes)

Mas sou quem diz
Que a vida deixa sempre a porta aberta

20100414

Isto é progresso?

"O vitupério anti-católico prolifera, é o que mais se destaca nestes dias, é o que mais une toda esta banda mediocres semi-cultos. O tema é indiferente. O Papa ou as procissões de Semana Santa, dá igual. O católico molesta, incomoda, é uma fraude."

Leis, ironias, blasfémias, preconceitos e sarcasmo. O desdém. E patadas ao mais sagrado. )


"Não penseis que eu vim trazer paz sobre a Terra; eu não vim trazer a paz, mas a espada." (Mt. 10, 34)

20100411

“Meu Senhor e meu Deus!”



"Felizes os que acreditam sem terem visto."
(Jo 20,29)

20100406

É Páscoa na Aldeia

É Páscoa na aldeia. Ouvem-se foguetes a estalar. Brilham tapetes de verduras às portas das casas por onde o Senhor vai passar. É um dia diferente. E está um dia de luar!
Depois de mais de trinta anos: a Visita Pascal. Uma segunda-feira de Páscoa com cheiro de outros tempos.
As pessoas esperam na rua, às portas. É a tradição que se revive uma vez mais.
A campainha soa cada vez mais perto: é o Cristo Ressuscitado que se faz anunciar!
E entra nas casas. E se faz Graça de Deus em cada lar.
No fim, os sorrisos, a satisfação em cada olhar, em cada palavra, em cada conversa entre vizinhos de um ao outro lado da estrada.
É Páscoa na aldeia.
Que seja para continuar!

20100404

Cristo Ressuscitou! Aleluia! Aleluia!

É Domingo de Páscoa: Cristo ressuscitou. Aleluia! Aleluia!

Jesus Cristo vive. Está bem vivo no meio de nós.
Jesus morreu na Sexta-feira santa, sim, mas ressuscitou ao terceiro dia como havia prometido. Este é o mistério central da nossa fé.
Cristo venceu a morte para que pudéssemos ter a Vida.




Que Jesus ressuscite verdadeiramente nos nossos corações!

Boas Festas Pascais!

20100330

Em Semana Santa

Terça-feira Santa - 42.º Dia de Caminhada

Tempo da Paixão de Jesus Cristo, o Filho de Deus, que se fez carne da nossa carne, e se entregou à morte para nos dar a Vida.

É tempo de Oração, de Espera...

É tempo de silenciar, de meditar...

O fruto do Silêncio é a Oração;
o fruto da Oração é a Fé;
o fruto da Fé é o Amor;
o fruto do Amor é o Serviço;
o fruto do Serviço é a Paz.
(Madre Teresa de Calcutá)

Continua ainda a nossa caminhada: amanhã vamos reflectir com a Dulce no Degrau de Silêncio... silenciando, orando, crescendo na Fé, crescendo sempre mais no Amor e no Serviço... na Paz... em Vida!


Uma Páscoa de Vida Nova para todos!


20100325

O "Fiat"

"Nossa Senhora de Março traz a merenda no regaço."

Lembro-me desta frase desde miúda. Uma frase que nos traz um duplo significado de merenda: a merenda física - lanche da tarde, na tradição popular; e a merenda espiritual - Jesus, o nosso verdadeiro alimento.

25 de Março é o dia da Anunciação do Anjo S. Gabriel a Maria de Nazaré. Data escolhida pela Igreja para realçar o simbolismo da Festa da Anunciação: exactamente nove meses antes do Natal, período normal de uma gestação.

"Naquele tempo, o Anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galileia chamada Nazaré, a uma Virgem desposada com um homem chamado José. O nome da Virgem era Maria. Tendo entrado onde ela estava, disse o Anjo: «Avé, cheia de graça, o Senhor está contigo». Ela ficou perturbada com estas palavras e pensava que saudação seria aquela. Disse-lhe o Anjo: «Não temas, Maria, porque encontraste graça diante de Deus. Conceberás e darás à luz um Filho, a quem porás o nome de Jesus. Ele será grande e chamar-Se-á Filho do Altíssimo. O Senhor Deus Lhe dará o trono de seu pai David; reinará eternamente sobre a casa de Jacob e o seu reinado não terá fim». Maria disse ao Anjo: «Como será isto, se eu não conheço homem?» O Anjo respondeu-lhe: «O Espírito Santo virá sobre ti e a força do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra. Por isso o Santo que vai nascer será chamado Filho de Deus. E a tua parenta Isabel concebeu também um filho na sua velhice e este é o sexto mês daquela a quem chamavam estéril; porque a Deus nada é impossível». Maria disse então: «Eis a escrava do Senhor; *faça-se em mim segundo a tua palavra»." (Lc.1,26-38)



Segundo os teólogos, foi no momento desse sublime *fiat que se deu o mistério da Encarnação do Filho de Deus. É aqui que começa um novo período da história: Deus está connosco! Maria, Virgem de Nazaré, ao dar o seu Fiat, acolheu o Verbo de Deus no seu regaço.

Que Nossa Senhora, Mãe de Deus, nos ensine a também acolher sempre a Palavra de Deus, a dar o nosso Fiat!

20100323

Mais do que a Idade é a Vida

Na contagem do tempo, na viragem do vento, nova primavera. A vida se [re]desenha com renovado entusiasmo.

Nascer. Viver. Tempo. Idade.

Porque há uma eterna vida por detrás da palavra. Nascer.
Compreendo que nascer não é um acontecimento menor; embora uma etapa; uma rampa de lançamento numa pista coberta.
Nascer. Não me lembro de ter nascido. Mas guardo nas lembranças o sítio onde nasci. O sítio onde nasci poder-me-á ter condicionado a existência. Porém, mais do que nascer para existir é nascer para viver.

Viver. Viver requer aprendizagem, requer [auto]domínio, noção da realidade… porque viver ‘não é existir sem mais nada’.
A vida é uma estrada. Uma estória a construir. Com dias em que o sol a pinta de ouro e noutros a farrusca a tempestade.

O tempo começa a escassear. A idade não perdoa.
A idade faz-me compreender que a vida é o que fazemos com ela.
E envelhecer será sempre melhor do que morrer jovem.
Porque mais do que a idade é a vida!

20100321

No Trilho do Amor

Quaresma - Tempo de Renascer -
- a caminhar é que se faz o caminho - 33.º Dia

É tempo de:

Deserto... fazer silêncio



Escutar e meditar a Palavra

"Jesus disse:
Amarás o Senhor teu Deus, com todo o teu coração, com toda a tua alma e com toda a tua mente: tal é o maior e primeiro mandamento. O segundo é semelhante a este: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. A estes dois mandamentos está ligada toda a Lei, bem como os Profetas." (Mt. 22, 37-40)

"Um novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como Eu vos amei, vós também vos deveis amar uns aos outros. É por isto que todos saberão que sois meus discípulos: se vos amardes uns aos outros." (Jo 13, 34-35)

"Eu peço-vos mais: amai os vossos inimigos, fazei bem aos que vos odeiam e orai pelos que vos perseguem e caluniam." (Mt 5, 43-44)

"Quem aceita os meus mandamentos e lhes obedece, esse é que Me ama. E quem Me ama será amado por meu Pai. Eu também o amarei e manifestar-Me-ei a ele." (Jo. 14, 21)


Procurar-se na solidão

* Para mim o que é o amor? Um sentimento bonito que acontece quando tem de acontecer? Uma paixão? Uma atracção romântica; desejo libidinoso? Ou uma decisão?
* Quem amo? Quem me é mais fácil amar? Aqueles com quem me identifico, que pensam como eu; quem é simpático, bonito; os familiares, os amigos? Amo o meu próximo? E quem é o meu próximo? E como trato os inimigos?
* Como amo? Esperando reciprocidade? Amo apenas quem me ama? Ou amo sem nada esperar em troca? Amo com todo o coração o marido ou a esposa; os filhos, os irmãos, os pais, os sogros, a nora, o genro? Guardo o meu amor na pureza e na castidade?
* O que é amar? Será o mesmo que gostar? E o que é, e como é, amar a Deus?


É tempo de procura de água

Podemos dizer que toda a Lei, todos os mandamentos se resumem a um só: Amar! Um só mandamento que abrange todos: Deus, o próximo, e nós mesmos.
Este mandamento fundamenta todos os outros. É um programa de vida.
"Amamos, porque Ele nos amou primeiro. Se alguém disser: Amo a Deus, e odiar a seu irmão, é mentiroso; pois aquele que não ama a seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê." (1Jo.4,19-20)
Se não amo o meu irmão, eu não amo a Deus. O amor não é uma coisa que apenas acontece. É uma decisão. É a resposta ao dom do amor com que Deus vem ao nosso encontro. O amor é um mandamento, mas não é uma mera exigência, porque antes nos é dado.

Amar como a si mesmo é condição essencial do amor ao próximo. Não fazer aos outros o que não gostaria que lhe fizessem e fazer aos outros o que gostaria que fosse feito a si em circunstâncias semelhantes. O próximo deve ter, aos olhos de cada um de nós, tanto valor como nós próprios. Quem se conhece e estima a si mesmo, deve abrir-se aos outros e estimá-los como seus próximos. Deve tornar-se o próximo de todos os que necessitam de si. Fazer ao próximo aquilo de que ele tem necessidade.

Amar o próximo é condição do amor a Deus.
"Porque tive fome e destes-Me de comer, tive sede e destes-Me de beber; era peregrino, e recolhestes-Me; estava nu e vestistes-Me; adoeci e visitastes-Me; estive na prisão e fostes ver-Me.
(...) Senhor, quando foi que te vimos com fome e Te demos de comer? Ou com sede e Te demos de beber? Quando Te vimos peregrino e Te hospedamos? Ou nu e Te vestimos? E quando Te vimos doente ou na prisão e fomos visitar-Te?
(...) Em verdade vos digo: sempre que o fizestes a um destes meus irmãos mais pequeninos, a Mim o fizestes". (Mt. 25, 35-40)


Encontrar oásis no deserto

Deus é a fonte de todo o amor:
“Caríssimos, amemo-nos uns aos outros, porque o amor vem de Deus e todo aquele que ama, nasceu de Deus e conhece a Deus. Quem não ama não chegou a conhecer Deus, porque Deus é amor.” (1 Jo 4, 7-8)

"Porque Deus nos amou primeiro, podemos então amar gratuita e oblativamente, pois sempre estará disponível para nós a fonte divina jorrando incansavelmente o Seu infinito amor." (Bento XVI, Encíclica «Deus caritas est»)

Continuemos a nossa caminhada quaresmal, amanhã com a reflexão da Dulce no Degrau de Silêncio, bebendo sempre desse amor infinito do Pai, colocando-o no nosso coração e transportando-o para a nossa vida, a fim de crescermos no amor a Deus e no amor uns aos outros.

Podes partilhar também aqui as tuas palavras